Revista Congresso Febrafite
abre menu 2

Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

abre menu 1

Notícias

Senado aprova Refis e projeto segue para o presidente Michel Temer

Por Correio Braziliense

Compartilhar

postado em 06/10/2017 11:26 / atualizado em 06/10/2017 11:26


Por votação simbólica, o plenário do Senado aprovou ontem o texto do novo Refis, programa de regularização de dívidas com a União, durante uma sessão corrida no início da tarde. Para facilitar o andamento, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), entrou em acordo com as lideranças partidárias e suprimiu pontos que geraram repercussão negativa, como a inclusão de igrejas entre os beneficiados pelo programa, com isenção, por cinco anos, de cobrança de tributos. A medida provisória perderia a validade na próxima terça-feira, caso não fosse analisada pelo Senado a tempo. Agora, basta a assinatura do presidente Michel Temer para que ela seja oficialmente transformada em lei.

A aprovação, mesmo sem algumas benesses, foi um alívio para os empresários, que poderão aderir ao programa até 31 de outubro e renegociar as dívidas vencidas até 30 de abril deste ano, muitas feitas durante o período de crise. O programa permite que qualquer pessoa ou empresa parcele valores devidos à Receita Federal ou à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) com descontos de até 90% nas multas e de até 70% nos juros cobrados pelo atraso.
O resultado, do ponto de vista fiscal, não é tão atraente para o governo, que propôs o Refis com o objetivo inicial de incrementar a arrecadação em R$ 13 bilhões para cumprir a meta fiscal de 2017, de deficit de R$ 159 bilhões. A lei de conversão proposta pelos parlamentares reduz a estimativa de arrecadação com o programa em cerca de R$ 3 bilhões neste ano, quando comparada com o texto inicial, segundo estimativas da equipe do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Embate 

O argumento mais usado pelos defensores do Refis no Senado foi a necessidade de ajudar os empresários, que perderam a capacidade de pagamento de tributos por conta da crise econômica dos últimos anos. Até o relator, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que havia criticado a matéria aprovada na Câmara, defendeu a aprovação ontem e se disse a favor “desse Refis”, apesar de ser “contra Refis de ano em ano”.

“Com a situação que estamos vivendo atualmente no país, com mais de três anos sucessivos de perda de receitas, nossos empresários tiveram que deixar de recolher impostos para poder honrar a folha de pagamento e os compromissos com fornecedores”, considerou Oliveira. “Se não parcelarmos as dívidas tributárias, eles vão fechar as portas, principalmente os micro, pequenos e médios emprendedores, que são responsáveis pela geração da maior parte dos empregos no país.”

Já a oposição entende que aprovar o Refis, mesmo sem grandes ganhos para a arrecadação federal, é o preço que o presidente Temer está pagando para se livrar da segunda denúncia feita contra ele pela Procuradoria-Geral da República (PGR), cujo arquivamento depende da Câmara. “Entendemos que é uma medida para ajudar a salvar a cabeça de Temer”, disse Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Randolfe Rodrigues (Rede-AP) concluiu que, mesmo com as supressões, o Refis “continua sendo absurdo”.

Principais pontos do programa:

» Os descontos sobre os juros variam de 50% a 90%, de acordo com a modalidade de parcelamento escolhida
» Para as multas, o texto prevê descontos de 25% a 70%
» Tanto pessoas físicas quanto jurídicas podem aderir ao novo Refis, mesmo que já tenham as dívidas negociadas por programa de refinanciamento anterior
» Os valores mínimos das parcelas são de R$ 200 para pessoas físicas; de R$ 1 mil para pessoas jurídicas; e de R$ 400 para micro, pequenas e médias empresas
» O programa permite o refinanciamento de dívidas vencidas até 30 de abril de 2017
» Os interessados podem se inscrever até 31 de outubro

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP   LX0-103   220-901   640-911   102-400   220-901   70-346   000-017   ICBB   350-029   200-125  , 70-486   640-692   ADM-201   c2010-657   EX200   74-678   70-483   1V0-601   100-101   M70-101   100-105  , 350-001   HP0-S42   M70-101   200-355   ITILFND   1Z0-804   100-101   SY0-401   350-080   70-461   JN0-102   M70-101   70-534   1z0-434   LX0-104   210-065   640-911   c2010-652   ITILFND   70-533   70-411   200-310   70-411  

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL