Craques da Cidadania Fiscal
abre menu 2

Notícias

Compensação dos Estados por perdas com Lei Kandir segue para o plenário da Câmara

Por Ascom Febrafite

Compartilhar

postado em 16/05/2018 17:11 / atualizado em 16/05/2018 17:17


A Comissão mista especial do Congresso Nacional aprovou nesta terça (15), embora ainda sem acordo com o governo federal, o parecer final do senador Wellington Fagundes (PR-MT) do projeto de lei complementar que define os critérios a serem adotados pela União para os repasses de compensação aos estados em função das perdas da Lei Kandir.

O vice-presidente da Febrafite, Marcelo Mello, acompanhou a votação da matéria. Para ele, o texto que será apensado a projeto já em trâmite em Comissão especial da Câmara e precisa ser votado nos plenários das duas casas legislativas, não respeita os critérios de perdas previstas no protocolo ICMS 69/08 do Confaz, que dispõe sobre os critérios para partilha de recursos entregues aos Estados e Distrito Federal pela União.

“A comissão não respeitou os critérios de perdas adotados pelo Confaz, pois incluiu, com peso de 30%, o critério de balança entre exportações e importações, que nunca foi aprovado no conselho, por não ter nada a ver com perdas e por beneficiar apenas alguns Estados. Além disso, fixou 40% do coeficiente de acordo com a média do coeficiente do Confaz nos últimos 5 anos, que pode gerar arguição de inconstitucionalidade por ser fixo. E retirou o critério de perdas pelos créditos nas aquisições de bens do ativo”, alerta Marcelo Mello.

Os pontos positivos, segundo Mello, são o estabelecimento de um montante próximo ao valor das perdas anuais dos Estados, além da obrigação de a União de ressarcir em 30 anos as perdas acumuladas até a entrada em vigor da lei.

Em função disso, apesar da alteração nos critérios de repartição, a Febrafite vê como positivo o reconhecimento do Congresso Nacional para a compensação aos Estados pelas perdas com a desoneração de ICMS nas exportações de produtos primários e semielaborados e pelas compras de ativo permanente, de forma gradual, sendo R$ 19,5 bilhões para 2019, R$ 29,25 bilhões para 2020 e R$ 39 bilhões a partir de 2021, corrigidos pela inflação, bem como a aprovação do relatório como “um importante passo para o resgate do pacto federativo”.

“O reconhecimento da obrigatoriedade dos ressarcimentos é justo, pois a lei comprometeu a arrecadação dos Estados. Está cada vez mais claro que essa legislação fracassou por gerar perdas de arrecadação aos Estados e por desestruturar a cadeia produtiva nacional, incentivando a exportação de produtos primários em detrimento de produtos com maior valor agregado, exportando empregos e desenvolvimento, e, portanto, precisa ser revista”, opina o vice-presidente da Federação.

O projeto final precisa ser votado até agosto próximo, quando vence o prazo dado pelo STF para definição do montante de ressarcimento das perdas e dos critérios de repasse.

Crise dos Estados

No ano passado, a Febrafite publicou estudo com dados do Confaz sobre os prejuízos financeiros aos Estados. Em 20 anos de vigência da lei, os entes federados deixaram de arrecadar cerca de R$ 500 bilhões decorrentes da desoneração do ICMS na exportação de produtos primários e semielaborados e dos créditos nas aquisições de ativo permanente.

Para a Febrafite, os contratos das dívidas estaduais contraídas desde a década de 1990, com juros abusivos e que já foram pagos, somados aos efeitos decorrentes da Lei Kandir, entre outras políticas como o Simples Nacional e as desonerações do IPI, reduzindo o FPE – Fundo de Participação dos Estados, contribuíram fortemente para o atual desequilíbrio financeiro dos Estados.

A federação defende os ressarcimentos integrais das perdas acumuladas desde a aprovação da LC 87/1996, a manutenção dos critérios de partilha conforme o Protocolo ICMS 69/08 do Confaz, o equacionamento do ressarcimento da União pelas perdas no prazo de até 30 anos, podendo haver encontro de contas com a dívida, e a revogação da lei.

Acesse o estudo sobre a Lei Kandir aqui.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP   LX0-103   220-901   640-911   102-400   220-901   70-346   000-017   ICBB   350-029   200-125  , 70-486   640-692   ADM-201   c2010-657   EX200   74-678   70-483   1V0-601   100-101   M70-101   100-105  , 350-001   HP0-S42   M70-101   200-355   ITILFND   1Z0-804   100-101   SY0-401   350-080   70-461   JN0-102   M70-101   70-534   1z0-434   LX0-104   210-065   640-911   c2010-652   ITILFND   70-533   70-411   200-310   70-411  

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL