Revista Congresso Febrafite
abre menu 2

Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

abre menu 1

Notícias

Opinião: As alterações nas operações do valor adicionado do ICMS

Por Antônio Olmiro Alves de Souza | Jornal do Comércio/JC Contabilidade

Compartilhar

postado em 09/08/2017 15:34 / atualizado em 09/08/2017 15:34


OlmiroAfisvecA definição do conceito de Valor Adicionado é a mesma estabelecida no Decreto-Lei 1.216 de 9 de maio de 1972 e constitui um fator de cálculo do índice de retorno do ICMS para os municípios tendo peso de 75% no cálculo do referido índice e se resume como a diferença entre entrada e saída de mercadorias no estabelecimento no perídio de um ano. Os demais fatores somam 25% e são definidos em lei estadual. No Rio Grande do Sul, estão assim distribuídos: 7% população;7% área, 5% propriedades rurais; 3,5% produtividade primária; 2,0% Inverso do valor adicionado per capta e 0,5% Programa de Integração Tributária.

Nesse espaço de tempo, as relações comerciais sofreram mudanças que afetam o modelo de cálculo do valor adicionado do ICMS dos municípios.

Quando da criação do Valor Adicionado, as práticas comerciais eram via Indústria, Comércio Atacadista, Comércio Varejista e Produtores Primários. Com a inclusão dos Serviços no (ICMS) como a Energia Elétrica, os Serviços de Comunicação e Transportes (serviços Postais, telefonia, transportes aéreos, terrestres e lacustres, etc.) já demandaria uma adaptação ao sistema anterior de cálculo do Valor Adicionado.

Em 2006, a Lei Complementar Federal 123/2006 transformou, optativamente, as microempresas e empresas de pequeno porte em empresas do Simples Nacional, cujas declarações de faturamento e compras são decididas pelas empresas, que se julgam não vigiadas pelo Estado, são mais de 200 mil no universo de 300 mil empresas, no Rio Grande do Sul e constituem a grande maioria das empresas nos municípios de pequeno porte. A mesma Lei Complementar concedeu atribuições, no art.33 para os municípios, mediante convênio, procederem a fiscalização dessas empresas juntamente com Estado e União.

A lei Complementar 123/2006 alterada pela Lei 155/2016, também criou o Micro Empreendedor Individual-MEI, somente para prestadores de Serviço, com inscrição somente no município e na Receita Federal e para faturamentos até R$ 60.00,00 anual e com destinação somente a prestadores de serviços. O Estado ficou sem nenhum controle, não há inscrição estadual. As irregularidades frequentes são inscrições, indevidas, dadas a atividade de Comércio, pelas Prefeituras Municipais, sem recolhimento de tributos e sem informação de Valor Adicionado.

A diferença de tributação entre operações com mercadorias e operações financeiras transformaram muitas empresas comerciais em financeiras, adotando duas inscrições no mesmo endereço.

Nas vendas a prazo com financiamento em 10 ou 20 vezes, a parcela atribuída ao lucro bruto com as mercadorias (valor adicionado) é mínima e o restante aparece como financiamento. Verifica-se frequentemente que a Empresa não tem interesse em venda a vista e sim no financiamento, consequentemente reduzindo o recolhimento de ICMS e o valor adicionado da empresa.

A criação de tributação sobre o faturamento das empresas PIS/COFINS provocou uma redução do comercio atacadista, as operações de venda de valores mais significativos, passaram a ser realizadas diretas do fabricante para o consumidor final, caso emblemático venda de automóveis zero.

O Decreto Federal 7.962/2013 (Lei do E-commerce) disciplinando operações de comércio pela internet, não faz referência e nem disciplina o valor adicionado dessas operações e trazem grande prejuízo aos municípios de pequeno porte, de menor opção de mercadorias e custos mais elevados pelos fretes até a ponta do varejo. Esses consumidores tendem a usar mais o e-commerce em suas compras.

As mudanças nas práticas de comércio nesses últimos 29 anos estão criando uma forte necessidade de alteração na legislação referente a distribuição do ICMS aos municípios brasileiros.

Antônio Olmiro Alves de Souza é auditor fiscal da Receita Estadual do RS e diretor da filiada Afisvec. Artigo orinalmente publicado hoje (09) no Jornal do Comércio/JC Contabilidade.

 

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP   LX0-103   220-901   640-911   102-400   220-901   70-346   000-017   ICBB   350-029   200-125  , 70-486   640-692   ADM-201   c2010-657   EX200   74-678   70-483   1V0-601   100-101   M70-101   100-105  , 350-001   HP0-S42   M70-101   200-355   ITILFND   1Z0-804   100-101   SY0-401   350-080   70-461   JN0-102   M70-101   70-534   1z0-434   LX0-104   210-065   640-911   c2010-652   ITILFND   70-533   70-411   200-310   70-411  

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL