50 Anos de CTN
abre menu 2

Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

abre menu 1

Notícias

AEF-Brasil apresenta tecnologias inéditas do Primeiro Programa de Educação Financeira com foco em Adultos

Compartilhar

postado em 14/03/2017 14:49 / atualizado em 14/03/2017 14:50

AEF-BRASILSão Paulo março de 2017 – Murilo Portugal, presidente da AEF Brasil – Associação de Educação Financeira do Brasil e da FEBRABAN e Claudia Forte, superintendente da da AEF-Brasil, reúnem-se, em sessão plenária, com os representantes dos Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Social e Agrário, além de executivos dos patrocinadores, o BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e da Citi Foundation, no próximo dia 20, em Brasília. O objetivo é apresentar as tecnologias sociais criadas para o Programa de Educação Financeira para Adultos e entregá-las aos respectivos Ministérios para que sejam disseminadas em todo o país.

Iniciado em agosto de 2013, o Programa de Educação Financeira para Adultos já envolveu aproximadamente 6.500 pessoas, entre aposentados com renda de até dois salários mínimos e mulheres beneficiárias do programa Bolsa Família. A partir da entrega das tecnologias sociais aos Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Social e Agrário, a ideia é que elas atinjam à totalidade de beneficiários do país: 18,5 milhões de aposentados e 45 milhões de mulheres que recebem o benefício do Bolsa Família. Isso acontecerá já a partir deste ano.

 

Histórico

Ciclo 1: 2013 e 2014

Imersão no contexto dos beneficiários (entendimento do perfil dos públicos)

De acordo com Claudia Forte, as tecnologias sociais foram produzidas a partir de um acompanhamento integral das rotinas das famílias envolvidas e do desenho dos perfis desse público: ”no início do Programa convivemos de perto com essas famílias e identificamos a ausência de hábitos saudáveis e do reforço de tomada de decisões equivocadas sob a perspectiva da educação financeira, afinal de contas, esse público é o que mais sofre por causa das inadequações geradas pela desigualdade social, pressão inflacionária, queda de empregos, juros altos e endividamento” – avalia a executiva.

Segundo Claudia, o programa identificou alguns perfis que serviram de parâmetros para o desenvolvimento das tecnologias sociais. As mulheres beneficiárias do Bolsa Família foram categorizadas em: a sonhadora, altamente consumista; a visionária, responsável pela gestão do orçamento familiar; a sobrevivente, que otimiza recursos limitados e a guerreira, que foca em escolhas a curto prazo.

No grupo dos aposentados, os perfis identificados foram: o dedicado, o que se endivida porque realiza os desejos alheios; o ancião que deseja empreender; o resignado, que abusa dos recursos financeiros; e o hedonista, que consome por vaidade, de forma impulsiva.

Para a superintendente da AEF-Brasil, essa primeira fase de identificação dos perfis e da avaliação das rotinas familiares foi fundamental para compreender as diferentes realidades de cada grupo, que utilizam seus recursos financeiros de forma indevida e não permitindo espaço para a poupança, além da ausência do consumo consciente na tomada de decisão nos processos de compra e/ou aquisição..

Ciclo 2

2014/2015

Desenvolvimento e testagem de protótipos para criação das tecnologias

Inéditas no país, as tecnologias sociais desenvolvidas pela AEF-Brasil exclusivamente para este público, incluem, dentre outros recursos: cofres, carteiras, agendas e até uma telenovela.

Após entender os públicos, foram criados os protótipos de tecnologias sociais sobre educação financeira específica para cada público. Os protótipos foram testados em três rodadas diferentes junto aos públicos, em todo o país, envolvendo assim os próprios beneficiários no desenvolvimento: a cada testagem os materiais eram modificados/ajustados/aprimorados. “Assim, pela primeira vez no país, um programa de educação financeira foi cocriado pelo público final, ou seja, feito por eles e para eles”, explica Claudia Forte.

Ciclo 3

2016

Sistematização das Tecnologias Sociais

Após a testagem das tecnologias sociais, uma versão final de todos os protótipos foi criada e sistematizada. Com trabalho intenso no aperfeiçoamento das tecnologias.

 

Ciclo 4 – Atual

2016/2017

Projeto Piloto e Avaliação de Impacto

Atualmente em seu quarto ciclo (etapa do Projeto Piloto e Avaliação de Impacto) a ação já passou por 49 municípios, cobrindo 16 estados brasileiros, além do Distrito Federal. Nesse período, os públicos participam ativamente do programa por meio de oficinas de educação financeira.

“O objetivo dessas oficinas foi avaliar as tecnologias sociais criadas no Programa e compreender sua efetividade na transferência dos conhecimentos sobre educação financeira”, comenta Claudia Forte. “Por meio de uma avaliação de impacto, será possível verificar as possíveis mudanças no letramento financeiro, atitudes e comportamento de cada participante” – detalha Claudia. Os resultados da Avaliação de Impacto serão apresentados na Semana Nacional de Educação Financeira, em maio de 2017.

 

Ciclo 5

Disseminação

2017/2018

O próximo passo, segundo a executiva, é a Disseminação. Com a entrega das tecnologias sociais aos Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Social e Agrário, a proposta é que atinjam 2500 beneficiários de cada público até 2018. O objetivo é que o programa torne-se uma política pública sejam implantados em todo o Brasil. Para tanto, serão entregues aos Ministérios, além das tecnologias, materiais sobre a execução do Programa, guias de recomendações e os resultados da avaliação de impacto, que servirão de subsídios para as futuras ações dos Ministérios.

A entrega das tecnologias sociais, em 20 de março, oficializará aos Ministérios o cumprimento do Projeto Piloto: “a proposta é tornar os envolvidos no Programa, conscientes sobre a importância de conquistar autonomia financeira, além de estimular o comportamento empreendedor” – encerra a executiva.

 

Resumo:

Ciclos do Projeto

O Programa de Educação Financeira para adultos está dividido em cinco ciclos:

Ciclo 1: Imersão no contexto dos beneficiários, de onde se originaram os perfis que serviram de inspiração para a criação das tecnologias sociais.

Ciclo 2: Desenvolvimento das tecnologias Sociais de Educação Financeira, criação e testes dos protótipos.

Ciclo 3: Sistematização da Tecnologias, mediante a análise de todas os testes dos protótipos das tecnologias, em diversas rodadas, as tecnologias  foram, por fim, sistematizadas, ou seja, chegamos em uma versão final de cada uma delas.

Ciclo 4: Projeto Piloto, implementação do Programa oferecendo oficinas de educação financeira, já com as tecnologias em sua versão final e Avaliação de Impacto (etapa que verifica o letramento e mudança de comportamento).

Ciclo 5: Disseminação. A partir de abril, os Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Social e Agrário, de posse das tecnologias entregues no dia 20 de março, deverão atender à proposta criada com o BID e expandir para 2500 pessoas de cada publico, aposentados com renda de até dois salários mínimos e beneficiárias do Bolsa Família.

 

Sobre a AEF- Brasil e a ENEF

A AEF – Associação de Educação Financeira do Brasil tem como principal foco de atuação a promoção e fortalecimento da causa da educação financeira em todo o país. A Instituição desenvolve tecnologias educacionais e sociais que visam despertar no cidadão brasileiro um comportamento financeiro saudável e consciente. Entre os projetos de destaque estão programas de educação financeira voltados a crianças e jovens dos Ensinos Médio e Fundamental, além de projetos com foco em adultos que beneficiam, sobretudo, mulheres e idosos. O programa voltado ao Ensino Médio, por exemplo, já foi aplicado em escolas de cinco Estados e no Distrito Federal e, de acordo com avaliação do Banco Mundial, gerou um aumento da capacidade dos jovens de adotar práticas financeiras mais conscientes.

A AEF é uma OSCIP criada para executar a Estratégia Nacional de Educação Financeira – ENEF, uma política pública lançada em 2010 com a finalidade de disseminar a educação financeira junto à população. A Instituição foi constituída e ainda hoje é mantida por quatro importantes instituições do sistema financeiro nacional: ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais; BM&FBOVESPA – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros; CNSEG – Confederação Nacional de Seguros Privados e FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos. Todas elas são membros do CONEF – Comitê Nacional de Educação Financeira. São parte do CONEF: Banco Central do Brasil, Comissão de Valores Mobiliários, Superintendência Nacional de Previdência Complementar, Superintendência de Seguros Privados, Ministério da Justiça e Cidadania, Ministério da Educação, Ministério da Fazenda, ANBIMA, BMF&Bovespa, CNseg e FEBRABAN.

Saiba mais sobre a AEF Brasil 

 

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL
70-480 N10-006 CD0-001 Exam 070-411 exam 700-270 exam 70-980 C4040-252 Practice E20-507 test CD0-001 1Z0-062 CISSP 70-417 exam 640-916 vce CISM 640-875 1Z0-804 C4040-250 ICGB 1V0-605 dumps 1Z0-062 testing 70-461 Exam PMI-RMP Exam 642-997 doc MA0-100 1Z0-808 Exam 70-480 exam 642-997 70-486 dump 1V0-601 810-403 Exam 70-488 PMI-RMP 810-403 MA0-100 Dumps C4040-251 1Z0-434 70-461 070-347 1Z0-434 pdf 70-346 doc 1Z0-808 E20-507 N10-006 PDF 1V0-605 070-411 HP0-S42 pdf C4040-252 810-401 70-488 pdf HP0-S42 070-347 pdf CISSP Exam 70-483 dump 300-101 exam 70-346 C4040-251 dumps IIA-CIA-PART1 Exam 101-400 dumps 70-483 400-051 C4040-250 Exam 200-120 300-101 200-310 210-060 70-980 dumps 70-410 1V0-601 study guide 70-417 1Z0-804 dump CISM Dump 70-410 Exam 101-400 ICGB Dumps 400-051 pdf MB5-705 640-916 200-310 demo IIA-CIA-PART1 640-875 dumps MB5-705 Pdf 810-401 dump 200-120 practice 700-270 70-486 210-060 dump