Revista Congresso Febrafite
abre menu 2

Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

abre menu 1

Notícias

“PLP 343/17 não resolve a situação das dívidas dos estados”, critica kupski

Por Ascom Febrafite com informações da Agência Câmara e do Portal de Notícias Uai

Compartilhar

postado em 06/04/2017 16:25 / atualizado em 06/04/2017 16:42


IMAGEM-DIVIDA-ESTADOS2

Sessão Extraordinária do plenário da Câmara realizada nesta quarta-feira(05). Foto: Macedo/Câmara dos Deputados

O plenário da Câmara dos Deputados começou a votar nesta quarta-feira, dia 05, o projeto que cria um “regime especial” para estados em calamidade financeira (PLP 343/17), entre eles o Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Os três estados, considerados como “superendividados” poderão, segundo a proposta, deixar de pagar as dívidas com a União por até seis anos, desde que se comprometam a sanear as contas estaduais, controlar os gastos, privatizar empresas e congelar salários dos servidores públicos, entre outras medidas de recuperação fiscal.

Para a Febrafite, a proposta não resolve, apenas joga o problema para o futuro, trazendo maior endividamento para os entes federados. “Um novo contrato balizado em cima do reconhecimento puro e simples do atual montante de dívida cobrado pela União não pode ser assinado pelos estados”, critica o presidente da Federação, Roberto Kupski.

Para kupski, entregar patrimônio para pagar uma conta, sem que se faça a revisão do valor, e tampouco se cobre o que o Governo Federal deve aos estados, é inadmissível. “O que precisamos discutir é o valor real da dívida. E a negociação não passou por isto até o momento. Além disto, a tratativa dá a impressão de que só vai empurrar o problema para as futuras gestões, sem que consigamos administrar esse passivo de forma responsável. Entregar patrimônio no afogadilho em cima de um contrato extremamente escorchante não é a saída mais adequada”.

O presidente da Febrafite esclarece ainda, que não se trata de pregar o calote, mas simplesmente exigir que essa dívida seja auditada e sejam garantidas as condições como as que são oferecidas à iniciativa privada, via BNDES, onde as taxas de juros são muito mais vantajosas. “É importante lembrar que a renegociação da dívida dos estados, firmada em 1998, foi necessária para assegurar a eficiência do Plano Real. Naquela época, já havia a avaliação de que os entes federados não iriam suportar os encargos da correção monetária fixada no período de janeiro de 1999 a dezembro de 2015, cujos contratos menos onerosos – remuneração baseada no IGP/DI acrescido de juro mínimo de 6,17% a.a. sofreram uma variação de 1.047% (mil e quarenta e sete por cento!) diante de uma inflação de 208%”, informa Kupski.

Esta drenagem de recursos estaduais para o cofre central da União provoca o depauperamento das economias regionais. Para a entidade, se o PLP 343/17 for aprovado na forma como está, novamente a União, “sob o manto de dar um alívio financeiro”, joga todo esse saldo devedor para o final, com a incidência de mais juros, o que torna esse passivo impagável.

Segundo estudo elaborado pela Febrafite, a União é a maior responsável pelo fraco desenvolvimento dos estados, que decorre, principalmente, dos contratos destas dívidas; das condições da infraestrutura nacional; das políticas tributária, fiscal, cambial e monetária e da concentração da arrecadação tributária.

O deputado João Henrique Holanda (PSB-AL), que presidia a sessão do Plenário da Câmara hoje (6) pela manhã, decidiu cancelar as votações diante da falta de acordo sobre a pauta. A análise da proposta ficou para a próxima segunda-feira (10).

UNIÃO PELO JUSTO RESSARCIMENTO DECORRENTE DA LEI KANDIR

Em recente decisão da ADO 25, proposta pelo governo do PA, o STF reconheceu a omissão da União em estabelecer os critérios justos de apuração dos valores que devem ser ressarcidos aos estados para compensar as perdas de receita impostas pela Lei Kandir. O Congresso Nacional tem prazo até dezembro de 2017 para fixar os parâmetros do ressarcimento e caso não o faça, a obrigação passa a ser do TCU.

De um lado, a União tem uma dívida com os estados reconhecida pelo STF, decorrente da Lei Kandir, e de outro, está cobrando dos mesmos estados uma dívida decorrente da sua política econômica.

MINAS PROPÕE FAZER O ENCONTRO DE CONTAS

Nesta quarta-feira (05), a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, com o apoio do governo do Rio Grande do Sul, lançou um movimento nacional por um encontro de contas da União com os estados. A proposta é que o governo federal quite as dívidas estaduais com os créditos oriundos das perdas que os entes federados tiveram com a Lei Kandir.

A Alemg criou a “Comissão Extraordinária de Encontro de Contas da União” que vai percorrer municípios mineiros, que também estão perdendo receita, e articular com outras assembleias estaduais.

No ato de lançamento, o presidente da Alemg, deputado Adalclever Lopes (PMDB), ressaltou que “essa é uma luta de todos os mineiros, pois o estado foi o mais prejudicado com a Lei Kandir, que desonerou as exportações do ICMS, principal tributo da arrecadação estadual e precisam saber dos seus direitos. E não são só os estados que perderam, todos os municípios também”, afirmou.

Pelas contas do estado, que segue os mesmos critérios usados pela União, Minas Gerais deixou de arrecadar R$ 135 bilhões nos 20 anos de vigência da Lei Kandir. Já a dívida com o governo federal é de R$ 88 bilhões.

O ressarcimento aos estados em decorrência da Lei Kandir é uma das defesas da Febrafite, cuja atuação foi renovada na última reunião do Conselho Deliberativo da entidade, realizada em Belo Horizonte, na última semana.

Para a Federação, a Lei Kandir retirou bilhões da receita do ICMS sem o devido ressarcimento aos estados e os cálculos das dívidas dos estados com a União devem ser refeitos retroativamente à data da assinatura dos contratos a fim de que os entes federados devolvam para a União os valores corrigidos pela inflação oficial brasileira, sem qualquer taxa de juros. “Se essa conta for refeita, a União deverá, inclusive, devolver os valores recebidos a mais”, esclarece Kupski.

 

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP   LX0-103   220-901   640-911   102-400   220-901   70-346   000-017   ICBB   350-029   200-125  , 70-486   640-692   ADM-201   c2010-657   EX200   74-678   70-483   1V0-601   100-101   M70-101   100-105  , 350-001   HP0-S42   M70-101   200-355   ITILFND   1Z0-804   100-101   SY0-401   350-080   70-461   JN0-102   M70-101   70-534   1z0-434   LX0-104   210-065   640-911   c2010-652   ITILFND   70-533   70-411   200-310   70-411  

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL