Revista Congresso Febrafite
abre menu 2

Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

abre menu 1

Notícias

Opinião | Quem são os privilegiados?

Por Augusto Bernardo Cecílio

Compartilhar

postado em 07/12/2017 12:22 / atualizado em 07/12/2017 12:22


AugustoAffeamA semana passada terminou com o governo Temer e o deputado Rodrigo Maia espalhando na mídia que estavam recuando, pois não tinham os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência. Os sindicatos acreditaram e desmarcaram a greve geral que estava marcada para o dia 5 de dezembro. Ah, inocentes! Quanta ingenuidade!

 

Jamais acreditaria num governo que joga sujo com a população, num verdadeiro vale tudo pra aprovar tal reforma e que expõe publicamente os trabalhadores, em especial os servidores públicos. Pior do que acusar o próprio trabalhador pelo rombo da Previdência é fazer com que ele também pague para ser convencido disso. Para isso, o Congresso autoriza repasse de R$ 99 milhões para publicidade da reforma.

 

Com o dinheiro do povo, o governo paga milhões para espalhar propagandas nos meios de comunicação, alegando que quer acabar com privilégios dos que trabalham pouco, ganham muito e se aposentam cedo. Ora! Experimente o senhor Temer trabalhar durante 35 anos aqui no sol do Amazonas, para ver se aguenta. Logo ele, que se aposentou com 55 anos. Experimente deixar que Marcela Temer trabalhe lecionando no bairro do Mauazinho, para ver se ela consegue manter seus belos cabelos após 30 anos de magistério.

 

Reforçamos a pergunta feita nas redes sociais, quem são os privilegiados? O Bradesco teve um lucro de 16 bilhões em 2016 e possui dívida com a Previdência de 465 milhões; o Banco do Brasil teve lucro de 3 bilhões em 2016 e deve 208 milhões para a Previdência; a Caixa lucrou 4 bi e deve 550 milhões, e o Itaú lucrou 6 bi e deve 88 milhões. As dívidas das grandes empresas com o INSS é de 426 bilhões, enquanto que o déficit alegado pelo governo é de 149 bilhões. A JBS, por exemplo, possui patrimônio de 8 bilhões e deve 1,8 bilhões pra Previdência.

 

Os verdadeiros privilegiados estão aí, e outros estão rindo da Justiça e do povão, com muitos processos nas costas, ocupando cargos no alto escalão, sem nenhuma punição. Agora querem penalizar os mais fracos?

 

Eles estão apostando que o eleitor brasileiro tem memória curta e tentam fazer com que os parlamentares subservientes aprovem tal medida, que vai fazer com que nossos filhos e netos tenham vergonha da gente, por não termos lutado para salvar direitos adquiridos às duras penas. Cuidado, deputado! Se votar, não volta, não se reelege.

 

É triste ver sindicatos de braços cruzados, fazendo cara de paisagem, esperando que outros lutem, quando deveriam pelo menos mandar confeccionar faixas de protestos, reunir com parlamentares do seu estado, arregimentar forças, marcar território e mostrar a cara dizendo que é contra tal reforma. Sindicato e associação que não representa seus membros não deveriam nem existir. O pior é ver pessoas esclarecidas dizendo que essa reforma não passa, mas nada fazem.

Enquanto uns só se preocupam em postar nos grupos assuntos ligados às próximas eleições, o Congresso se apressa em acabar conosco. Contra isso o Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado) faz circular pelo Brasil um vídeo esclarecedor com o texto a seguir.

 

“Dizem por aí que os problemas da Previdência são os supostos privilégios dos servidores públicos. Mas quer saber o que é privilégio mesmo? Privilégio é o político ter foro privilegiado. Privilégio é o sonegador ter direito a financiamento. Privilégio é ser corrupto e não ser preso”. Estão atacando o problema errado. Os privilégios são outros. Previdência, sem enfrentar as causas reais, não haverá o amanhã.

 

*Auditor fiscal da Receita Estadual do Amazonas e professor.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP   LX0-103   220-901   640-911   102-400   220-901   70-346   000-017   ICBB   350-029   200-125  , 70-486   640-692   ADM-201   c2010-657   EX200   74-678   70-483   1V0-601   100-101   M70-101   100-105  , 350-001   HP0-S42   M70-101   200-355   ITILFND   1Z0-804   100-101   SY0-401   350-080   70-461   JN0-102   M70-101   70-534   1z0-434   LX0-104   210-065   640-911   c2010-652   ITILFND   70-533   70-411   200-310   70-411  

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL