Em busca do diálogo

Notícias

Auditores fiscais fazem ato público em frente ao STF contra afastamento de profissionais e suspensão de investigações

postado em 08/08/2019 20:33 / atualizado em 08/08/2019 20:38


Cerca de 100 auditores-fiscais da Receita Federal fizeram um ato público em frente ao Supremo Tribunal Federal, nessa manhã, contra o afastamento de dois profissionais do Fisco de suas funções e a suspensão das fiscalizações do órgão contra 133 poderosos agentes públicos e seus familiares, por determinação do ministro Alexandre de Moraes, no último dia 1º de agosto. A manifestação contou com o apoio de parlamentares e de lideranças sindicais de outras carreiras de Estado das áreas de fiscalização, planejamento, gestão e controle, de combate à corrupção e à sonegação. Kleber Cabral, presidente do Sindicato Nacional da categoria (Sindifisco), destacou que o objetivo foi expressar o desapontamento e a indignação da classe.

Veja as declarações do presidente do Sindifisco:

“Estamos pedindo a reconsideração do ministro. A medida foi injusta e arbitrária e passa um recado muito ruim para o país, de que existe um grupo de contribuintes intocáveis, uma espécie de lista vip sobre a qual o Fisco não pode alcançar”, afirmou. Na análise dos auditores, Moraes assumiu uma posição difícil no inquérito 4.781 do STF já que está ocupando, ao mesmo tempo, o papel de acusador, de investigador e de juiz. O inquérito, que teve muitos questionamentos e ações judiciais. Foi instaurado pelo presidente da Corte, Dias Tofolli, para apurar a responsabilidade sobre notícias fraudulentas (fake news), denúncias caluniosas, ameaças e infrações que atinjam a honorabilidade e a segurança do STF, de seus membros e familiares.

Kleber Cabral explicou que sempre que há indício de irregularidade de qualquer funcionário público, a corregedoria é acionada. “Nesse caso, os dois auditores tiveram erros de procedimento, que levaram à possibilidade de um terceiro contribuinte ter acesso ao relatório do ministro Gilmar Mendes. Mas a corregedoria afirma que não houve procedimento doloso. Inclusive um deles foi suspenso por 15 dias como penalidade correicional. Mas isso não pode, de forma nenhuma, servir para que eles sejam usados de bode expiatório ou como medida de intimidação contra todo o corpo funcional e muito menos para impedir que todas as fiscalizações avancem”, assinalou o presidente do Sindifisco.

Durante o protesto, os auditores entregaram a Alexandre de Moraes um manifesto apontando o inconformismo com as decisões monocráticas do ministro e defendendo a lisura do trabalho da Receita Federal. No documento, os técnicos reiteram que, “ao se unirem ao clamor recorrente da sociedade para que o Fisco atue sem excluir de seu raio de ação nenhum contribuinte, sobretudo aqueles detentores de maior poder político ou econômico, esperam que Vossa Excelência reconsidere a decisão proferida no Inquérito 4.781, que impede o órgão de atuar de forma republicana, em obediência aos preceitos constitucionais e legais, em prol do Estado e de toda a sociedade brasileira”.

Rubens Roriz, Kleber Cabral e Marcelo Mello

A manifestação contou com a presença de representantes de entidades como a Febrafite, Sindifisco/DF, Anfip, ANPR, Fonacate, Anesp e Fenafisco, que manifestaram preocupação com a crise institucional e com o afastamento de dois Auditores-Fiscais que integram a equipe especial de fraudes da Receita Federal.

O vice-presidente da Febrafite (Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais), Marcelo Mello, ressaltou a importância de os Fiscos estarem unidos para enfrentar o cenário adverso. “Como auditores fiscais estaduais, temos dever de compartilhar e defender as atribuições dos auditores fiscais da Receita Federal atacadas pela decisão do Supremo Tribunal Federal que nós entendemos inconstitucional”,

“É importante que os auditores tenham segurança para executar suas tarefas. Não pode haver perseguição, não pode haver punição pelo estrito cumprimento das competências funcionais”, completou Rudinei Marques, presidente do Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado).

Os deputados Elias Vaz (PSB/GO) e Luiz Flávio Gomes (PSB/SP) também participaram do ato público e criticaram as limitações impostas pelo STF ao trabalho da Receita.

 

Com informações do Blog do Servidor e do Sindifisco Nacional.

Copyright © FEBRAFITE - Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais - Todos os direitos reservados

by HKL